A Historia do Jiu Jitsu, Academias, Mestres, Competidores, Resultados das Maiores Competições e as Últimas Novidades

Este post também está disponível em: Inglês

Considerado por muitos como o time de Jiu Jitsu mais bem sucedido na história do esporte, a Academia Carlson Gracie de Jiu Jitsu era um verdadeiro rolo compressor na década de 1970, 1980 e início de 1990 no Jiu Jitsu de competição. Desse time serão sempre lembradas figuras como “Serginho de Niterói”, Amauri Bitetti, Ricardo De La Riva, Ricardo Liborio, Paulo Filho e muitos, muitos outros, a Academia Carlson Gracie foi também o carro-chefe da inovação no BJJ, tendo acrescentado vários elementos ao Jiu Jitsu, tais como aulas de grupo, um forte foco em competição para além do uso de animais no simbolo (logo) da academia, idéias que vieram da mente creativa do líder da equipe, o falecido mestre Carlson Gracie.

Nome: Academia Carlson Gracie
Lineagem: Academia Gracie > Academia Carlson Gracie
Fundação: Final da decada de 1960
Fundador: Carlson Gracie
Instrutor Atual: Marcelo Saporito, Alan Moraes, Ari Galo
Comissão: n/a
Primeiro Faixa Preta: Sergio Iris de Almeida “Serginho de Niteroi”
Matriz: Rua Figueiredo Magalhães, nº 414 – 3º andar, 22031-010

A História da Academia Carlson Gracie

A história da Academia Carlson Gracie começa em 1964 através de uma parceria entre Carlson Gracie e o ex-lutador de Vale Tudo, Ivan Gomes. Ivan era um bom amigo de Carlson que propôs uma parceria com o Gracie para abrir uma academia juntos. Carlson não tinha dinheiro, mas possuia todo o conhecimento técnico e tinha também o seu nome como um dos lutadores cariocas mais conhecidos de sua geração, enquanto Gomes tinha o dinheiro para investir. A parceria não durou mais de um ano, contudo Carlson Gracie aprendeu com este empreendimento que uma academia seria uma solução viável para o seu futuro, e como sua carreira na Vale Tudo estava chegando ao fim. Carlson abriu então uma academia em Niterói em 1970, passando alguns anos lá, mais tarde abriu outra em Copacabana, no Rio de Janeiro, dando aula nas duas, dividindo o espaco de Copacabana com seu irmão Rolls. Mais tarde deixou a academia de Niterói (a meio dos anos 70) e se dedicou 100% a academia do Rio de Janeiro.

Os Primeiros Anos da Academia Carlson Gracie

O carisma do mestre Carlson Gracie reuniu um número saudável de estudantes rapidamente. Sua disponibilidade para mostrar o seu Jiu Jitsu também para as classes mais baixas era algo nunca antes tentado por um membro da família Gracie, e embora essa vontade de trabalhar com os pobres não lhe trouxesse dinheiro, trouxe sim atletas dispostos a dar seu coração e alma pela honra de competir pelo seu Mestre. A generosidade de Carlson ficou aparente desde o início, tendo várias vezes perdoado a mensalidade a seus alunos em troca de medalhas.

Em junho de 1973, o Jiu Jitsu foi finalmente reconhecido legalmente como um esporte no Brasil, o que permitiu a Federação de Jiu Jitsu da Guanabara (a única federação JJ oficial na época) organizar eventos oficiais. A sanção abriu as portas para uma rivalidade competitiva que iria perdurar décadas entre a Academia Gracie (liderada pelo Mestre Helio Gracie) e a Academia Carlson Gracie. Com o início dessa competição entre as duas academias, o relacionamento entre Carlson e seu tio Helio Gracie acaba por se deteriorar um pouco, e para tornar as coisas piores, em 1976, em num campeonato interestadual, o pupilo de Carlson Gracie, Sergio “Niteroi” Iris, derrotou o filho varão de Helio, Rorion Gracie. Celebrações encaloradas de Carlson causaram algum mau estar entre o tio e sobrinho que perdurou por bastante tempo.

Outro assunto que seria talvez a raiz das diferenças entre a tradicional Academia Gracie e Academia Carlson Gracie seria o esporte Jiu Jitsu. Helio Gracie via o Jiu Jitsu em primeiro lugar como uma arma de defesa pessoal, enquanto Carlson acredita na competição e esse era o seu foco principal como professor – o que provou ser a chave para o sucesso de seu time. Um exemplo de quão sério Carlson era sobre o assunto de competição era que ao reconhecer que não havia número suficiente de competições durante o ano, para manter seus alunos afiados, ele costumava trazer os alunos de outras academias para treinar com seus alunos e atestar o que precisava ser trabalhado.

O estilo da Academia Carlson Gracie também se tornou ‘a cara’ da academia, um estilo fortemente vocacionado para a uma forte passagem de guarda, com muita pressão, baseado no músculo e perseverança, que havia sido experimentado e testado pelo próprio comandante do time em lutas de Vale Tudo em sua juventude. Embora essa seja a percepção da maioria, de um estilo muito musculado e grosso, na realidade isso não espelha totalmente o valor técnico da equipe e de muitos outros lutadores que provaram o seu valor através de suas guardas perigosas que revolucionaram o esporte BJJ; ‘jiujiteiros’ como De La Riva e Cassio Cardoso.

Esta variedade de estilos e a disposição de seus alunos em competir, levou a equipe a um nível bem acima de qualquer outra academia na época, sendo que muitas vezes a Academia Carlson Gracie atingia mais de 50% dos pontos de equipes nas competições, que é mais do que todas as outras equipes juntas.

Os Dias Vale-Tudo e o Racha na Academia Carlson Gracie

No início de 1990, após o famoso Desafio – Jiu-Jitsu vs Luta Livre, a equipe Carlson Gracie começa a girar seu foco mais para Vale Tudo (o ‘pai’ do MMA). Pouco tempo depois, com o “Gracie Jiu Jitsu” se tornando um nome de relevo das artes marciais nos Estados Unidos (após o primeiro UFC), Carlson decide se mudar para os EUA a fim de desenvolver a sua própria academia bem como promover o seu aluno mais promissor, o jovem Vitor Belfor. Com essas intenções, em 1996 ele se instala em Los Angeles.

A mudança para os EUA não caiu bem entre os seus alunos que ficaram no Brasil. O fato de que os alunos no Rio continuaram tendo de entregar parte da sua bolsa de luta pra academia, mesmo não tendo o Mestre Carlson por perto ajudando no treinamento foi um grande ponto de discórdia. Com as tensões escalando entre atletas e mestre, o desmembramento tornou-se inevitável, no ano de 2000 muitos dos alunos de Carlson Gracie foram expulso do time, uma verdadeira legião lutadores na sua maioria os principais faixas pretas da academia, incluindo: Ricardo Liborio, Allan Góes , Ricardo Arona, Murilo Bustamante, Zé Mario Sperry, “Bebeo” Duarte, Carlão Barreto e muitos outros que passaram a formar outras academias, sendo a mais famosa a Brazilian Top Team.

Academia Carlson Gracie Hoje

Desde a desolação deixada pela peregrinação de faixas pretas em 2000, a Academia Carlson Gracie nunca realmente recuperou uma equipe de competição forte o suficiente para fazer frente ao crescimento da Alliance, Gracie Barra ea mais recente chegada da Checkmat e GFTeam, somando-se a isso a morte do líder da equipe, Mestre Carlson Gracie em 2006 que (compreensivelmente) deixou a equipe sem rumo e sem direção por um tempo. A orientação da academia no Rio de Janeiro, na emblemática Rua Figueiredo Magalhães, desde então, foi pegue por Marcelo Saporito ladeado por Alan Moraes e Ari Galo, enquanto no exterior a equipe tem muitos representantes fortes, como a BJJ Revolution Team, liderada por Rodrigo Medeiros nos Estados Unidos, bem como Carlson Gracie Júnior, também nos Estados Unidos.

Este post também está disponível em: Inglês

Leave A Reply

Your email address will not be published.

PASSWORD RESET

LOG IN