A Historia do Jiu Jitsu, Academias, Mestres, Competidores, Resultados das Maiores Competições e as Últimas Novidades

Este post também está disponível em: Inglês

O Mestre Geraldo Flôres é um faixa vermelha (9º grau) de Jiu Jitsu da linhagem de Oswaldo Fadda, sendo um dos principais desenvolvedores do Jiu Jitsu na zona norte do Rio de Janeiro. Flôres também esteve envolvido no desenvolvimento técnico de várias figuras de relevo no Jiu-Jitsu, como Wendell Alexander, Sérgio Bastos ou Ignácio Santos Silva.

Geraldo Flôres Jiu Jitsu

Nome Completo: Geraldo Flôres

Apelido: N/D

Lineage: Mitsuyo Maeda > Luis França > Oswaldo Fadda > Aderbal Batista > Geraldo Flôres

Principais Conquistas: N/D

Posição/Técnica preferida: N/D

Peso: N/D

Academia: N/D

Biografia de Geraldo Flôres

Geraldo Flôres começou praticando Jiu Jitsu no início da decada de 1960. Ele procurou artes marciais como uma forma de canalizar suas frustrações. Na época, ele jogava futebol e estava tendo alguns problemas para controlar seu temperamento em campo, tendo sido aconselhado por um colega de equipe a tentar o Jiu Jitsu, ele tinha 16 anos na época.

Seu primeiro treinador de Jiu Jitsu foi um mestre japonês da escola Budokan que Geraldo não conseguia lembrar o nome quando entrevistado para esta peça. A experiência com o japones foi de curta duração, pois o mestre havia entrado ilegalmente Brasil, sendo deportado de volta para o Japão pouco tempo depois. Geraldo, neste momento, já havia se rendido aos benefícios que o Jiu Jitsu poderia trazer para a sua vida e decidiu continuar seu treinamento, buscando Heleno de Freitas para ser seu professor (aluno de Oswaldo Fadda) e, posteriormente, Aderbal Batista, também da linha Fadda.

Quando questionado sobre como as classes de Jiu Jitsu decorriam na década de 1960, Mestre Geraldo Flores descreveu assim:

Eram completas e auxiliavam na formação do caráter e da personalidade do indivíduo. As aulas eram iniciadas com o comprimento e eram seguidas de: Ginástica calistênica, rolamentos, técnicas em pé, técnicas no solo, luta técnica (rola), defesa pessoal e Luta livre (sombra). Ao final do treinamento fazíamos 5 minutos de alongamento e 5 minutos de relaxamento deitados. Pelo menos duas vezes ao mês nos reuníamos e estudávamos a hostória do Jiu-Jitsu e dos que vieram antes de nós. As aulas duravam três horas e eram realizadas quatro vezes na semana (terça, quinta, sábado e domingo).

Ao contrário do que alguns historiadores indicam, Geraldo Flores não foi aluno de Mestre Rezende, o que aconteceu foi que no final da década de 1970 Flores e Rezende ambos trabalharam para a mesma empresa (Standard Electric Company) ao mesmo tempo, a empresa tinha seu próprio grêmio recreativo (nomeado GRESE) e Rezende ensinava neste lugar, mas se tratava de uma classe de iniciantes e Flores não terá sido um de seus alunos.

Geraldo Flôres recebeu sua faixa preta em 1970, a entregue por Aderbal Batista, o exame de faixa preta foi conduzido pelos Mestres Oswaldo Fadda, Aderbal e Ivan Batista, bem como Mestre Ovídio. O exame foi repartido em diferentes segmentos, tais como a realização de uma classe para adultos e crianças, auto-defesa , ukemis , quedas , técnicas de solo e sem kimono (luta livre).

Depois de receber a faixa preta, o Mestre Geraldo passou a promover Jiu Jitsu através de sua academia na região noroeste do Rio de Janeiro, longe do centro da cidade e da glamourosa Zona Sul, tendo produzido vários faixas pretas, sendo considerado também um dos principais treinadores da linhagem Fadda produziu .

Grande nota de agradecimento para T. Lee e Sérgio Bastos que realizaram essa entrevista com o Mestre Flores.

Este post também está disponível em: Inglês

Leave A Reply

Your email address will not be published.

PASSWORD RESET

LOG IN