A Historia do Jiu Jitsu, Academias, Mestres, Competidores, Resultados das Maiores Competições e as Últimas Novidades

Este post também está disponível em: Inglês

Marcelo Garcia, mais conhecido pelo seu apelido “Marcelinho” é um faixa preta de Jiu-Jitsu graduado pelo Mestre Fabio Gurgel, que compete representando as cores da academia Alliance. Vencedor por 5 vezes do Campeonato do Mundo de Jiu-Jitsu e por 4 vezes do ADCC (duas das competições mais importantes do mundo), Garcia é amplamente considerado um dos melhores lutadores de Jiu Jitsu e Submission (No Gi) do mundo, enquanto a sua conduta fora de do tatami o tornou um dos mais acarinhados atletas da comunidade ‘jiujiteira’. Marcelo Garcia figura também no Top 10 dos Melhores Lutadores da História do BJJ Heroes.

“Marcelinho” Garcia Jiu-Jitsu

Nome Completo: n/d

Apelido: “Marcelinho”, diminutivo de Marcelo.

Linhagem: Mitsuyo Maeda > Carlos Gracie > Helio Gracie > Rolls Gracie > Romero Cavalcanti > Fábio Gurgel > Marcelo Garcia.

Principais Conquistas:
4x Campeão do ADCC (2003, 2005, 2007, 2011)
5x Campeão Mundial – faixa preta (2004, 2006, 2009, 2010, 2011)
Campeão Pan-Americano (2007)
3x Campeão Brasileiro (2004 & 2006 peso médio, 2006 absoluto).

Posição/Técnica Favorita: Guarda X, Guilhotina e Mata-Leão.

Categoria de Peso: Peso Médio (82Kg).

Academia: Alliance

Biografia de Marcelo Garcia

Marcelo Garcia nasceu numa pequena cidade chamada Formiga, no Estado de Minas Gerais, Brasil, em 1983. Percebeu que queria seguir uma carreira nas artes marciais deste muito cedo, vendo os filmes de ação da década de 1980 como o “Karaté Kid” ou filmes mais antigos como “Operação Dragão”, que estavam entre os seus favoritos.

Apesar de “Marcelinho” morar no Brasil, não havia Jiu-Jitsu perto de onde ele morava, só nas cidades grandes (na verdade, Marcelo só ouviu falar de JiuJitsu anos mais tarde). Impulsionado pelos filmes que adorava, ele começou a praticar Karatê com 8 anos de idade. Passou anos se dedicando à arte marcial japonesa, se focando nas Katas e sequências de movimentos rígidos dessa arte marcial, competindo regularmente em campeonatos locais. Apesar de Garcia se dedicar bastante para ter sucesso no Karate ele não compreendia como essas movimentações rígidas poderiam ser aplicadas numa luta de verdade e desanimou um pouco de treinar. Depois de 4 anos ele decidiu parar por completo de treinar.

Depois de um ano afastado das artes marciais, um amigo o convidou para assistir a uma aula de Judô. Marcelo não gostava de lutas agarradas e achava que numa luta, quem soubesse socar e pontapear esmagaria facilmente um praticante de lutas agarradas. Ainda assim, ele foi na aula de Judô, dada por Fabiano de Souza. Marcelo gostou da agressividade do Judô e decidiu dar uma nova oportunidade às Artes Marciais.

O seu amor pelo Judô cresceu, auxiliado por algumas vitórias em campeonatos. Se familiarizando mais com o seu professor, Marcelo descobriu que ele também praticava Jiu-Jitsu, treinando a arte suave 3 vezes por semana numa cidade vizinha chamada Divinópolis. Com vontade de seguir as pisadas de seu mestre, Marcelinho perguntou se podia assistir a uma dessas aulas de Jiu-Jitsu e Fabiano aceitou, então na oportunidade seguinte Marcelo foi na sua primeira aula, dada pelo faixa preta graduado por Rickson Gracie, Iran Brasileiro.

Rapidamente Marcelo juntou as aulas de Jiu-Jitsu à sua rotina de treino, fazendo 3 viagens por semana para treinar na academia de Iran Brasileiro. O seu primeiro campeonato de Jiu-Jitsu não correu como planeado, perdendo na primeira luta, mas a derrota não saciou a sua sede de competir. Começou a comprar revistas de JiuJitsu para aprender novas técnicas, praticando depois com seus parceiros de treino.

A determinada altura, ele ouviu que havia uma boa academia, da Gracie Barra, em Ribeirão Preto, a muitos quilómetros de distância da sua cidade, no Estado de São Paulo. Marcelo fez a viagem até Ribeirão Preto e lá ele viu um Jiu-Jitsu muito mais evoluído, com caras fazendo guarda aranha, meia-guarda, técnicas que ele nunca tinha visto antes. Reconheceu que seria difícil vir a ser Campeão do Mundo treinando em Divinópolis e começou a pensar como se poderia mudar para uma cidade maior para treinar com um time melhor.

Antes de ter tempo para planear tudo isso, Marcelo foi competir num campeonato estadual, onde conheceu Paulo Rezende, que o convidou para treinar na sua academia. Paulo Rezende (apelidado de Paulão) tinha um time muito maior em Poço de Caldas e lhe ofereceu um lugar para dormir na academia e aulas de graça e em troca Marcelo realizava as tarefas diárias necessárias ao funcionamento do espaço (varrer os tatames, recados, etc.). Marcelo aceitou e depois de receber o sim de seus pais, viajou por 10 horas de ônibus até à academia de Paulão, tinha 16 anos de idade.

Nessa nova academia, e com a supervisão de Paulão, Marcelo começou treinando 4x por dia, com a primeira aula a começar as 6h da manhã, a segunda às 8h da manhã, a terceira às 3h da tarde e finalmente a última às 7h da tarde. Durante esse período, Marcelo começou a trabalhar a sua guarda. Sendo um anterior praticante de Judô, o seu forte era seu jogo por cima, mas a sua guarda precisava desesperadamente de melhorar, e durante meses ele lutou por baixo, com as costas no chão, sendo amassado no começo, mas no final conseguiu juntar essa nova arma ao seu arsenal.

Em um campeonato em que ele ainda lutava no Juvenil, o seu professor o inscreveu na categoria Absoluto do Adulto. Marcelinho estava bastante relutante em aceitar um desafio tão difícil mas aceitou na mesma. Marcelo lutou corajosamente, chegando na final contra um adversário adulto que pesava mais de 140 kilos. As regras eram diferentes das habituais em campeonatos da CBJJ. Não havia pontos nem limite de tempo e Marcelo Garcia acabou vencendo depois de uns esgotantes 45 minutos de luta, finalizando num estrangulamento apertado. A partir desse momento Garcia começou a participar de todos os absolutos que podia.

Sempre tentando competir ao mais alto nível, Marcelinho viajou por todo o Brasil e numa dessas viagens, ao Rio de Janeiro, ele foi impedido de entrar num campeonato por problemas com o custo da inscrição. A determinada altura, uma menina que pertencia à organização o ajudou e convenceu o resto dos organizadores a deixar Marcelo competir e eles acabaram aceitando. Depois que o campeonato terminou, Marcelo se apresentou à garota que o tinha auxiliado. O nome dela era Tatiana e os dois começaram a namorar pouco tempo depois. Ela viria a se tornar sua esposa.

Com o seu intenso programa de treinamento, Marcelo começou a ganhar campeonatos, primeiro o Estadual e depois a sua primeira vitória no Mundial. Depois da sua primeira vitória no Campeonato do Mundo, ele viu todo o seu potencial e começou realmente a acreditar nele. A sua namorada Tatiana o convenceu que a sua carreira beneficiaria bastante de uma mudança para um time maior em São Paulo, e depois de um convite feito por Fernando “Tererê” da Alliance para ser instrutor auxiliar na sua academia, ele partiu para São Paulo, um dos maiores centros mundiais de Jiu-Jitsu.

A vida era dura dando aulas na academia de “Terere” e Leo Vieira, o dinheiro era pouco e tudo o que ele podia pagar era uma casa a horas de viagem da academia, então quando Fábio Gurgel lhe ofereceu um lugar como instrutor auxiliar na sua academia, na academia matriz da Alliance, ele aceitou de bom grado.

Com essa nova parceria com Gurgel (que é um dos melhores professores de Jiu-Jitsu do mundo), o Jiu-Jitsu de Garcia deu um grande passo em frente de novo. Foi também uma época em que ele começou ganhando um pouco mais de dinheiro, lhe permitindo estabilizar a sua situação financeira. Foi aí que Marcelo começou treinando sem kimono pela primeira vez, era faixa marrom e nunca tinha treinado ou competido submission.

Sempre disposto a competir tanto quanto possível, quando a Seletiva Brasileira do ADCC chegou, Marcelo decidiu se inscrever no famoso campeonato. Lutou bem e chegou na final, perdendo por -1 ponto (puxada para a guarda) contra Daniel Moraes. Pelas regras do ADCC ele não se qualificaria para as finais porque não venceu a seletiva, mas como representante Americano, Denis Hallman, desistiu Marcelinho foi chamado de ultima hora para ser seu substituto. Sendo visto como um desconhecido no campeonato mais prestigiante do mundo, ele acabou calhando numa das mais duras chaves do torneio, tendo que enfrentar Renzo Gracie e Vitor Ribeiro. Derrotou ambos e venceu a final chegando no topo do mundo do Submission, e com a bolsa do campeonato ofereceu ao seu pai um Ford Focus para substituir o seu Volkswagen velhinho de 1984.

Continuou tendo sucesso tanto no submission como no Jiu-Jitsu ao vencer o Campeonato do Mundo, o Submission de Campos e novamente o ADCC. Depois de vencer todos os principais títulos em ambos os esportes, Marcelinho encontrou um novo desafio, testando uma carreira no mundo do MMA, e se juntando a uma academia de MMA na Flórida, a American Top Team. Apesar de Garcia estar focado nessa nova aventura, ele continuava sendo um competidor assíduo nos principais campeonatos de JiuJitsu e Submission, sempre representando a Alliance.

Em 2009 Marcelo abriu uma academia em Nova Iorque e começou a se distanciar da sua carreira no MMA, se dedicando a tempo inteiro a esse novo espaço e a seus alunos. Tendo perdido o interesse pelo MMA, ele afirmou abertamente numa entrevista em Março de 2010 que não voltaria a competir nesse esporte, anunciando também a sua decisão de regressar ao Jiu-Jitsu, o que ele fez mais tarde nesse ano, vencendo o Campeonato do Mundo mais uma vez.

Em Dezembro de 2011 Marcelo Garcia graduou pela primeira vez dois alunos para a faixa preta, Josh Waitzkin e Alexander Meadows.

[fighter_data_por id=137]

Marcelo Garia Fight Videos

Marcelo Garcia vs Andre Galvao

Marcelo Garcia vs Renzo Gracie

Marcelo Garcia Highlight

Este post também está disponível em: Inglês

Leave A Reply

Your email address will not be published.

PASSWORD RESET

LOG IN