A Historia do Jiu Jitsu, Academias, Mestres, Competidores, Resultados das Maiores Competições e as Últimas Novidades

Este post também está disponível em: Inglês

Oswaldo ‘Paquetá’ foi uma das figuras mais reconhecidas do Jiu-Jitsu Brasileiro e um verdadeiro pioneiro do esporte, famoso por ter o maior arquivo de fitas de Jiu-Jitsu e de MMA do mundo, assim como ser o melhor amigo do Grande Mestre Carlson Gracie. No final das décadas de 1950 e 1960 ele era um feroz competidor da Academia Gracie, com um passado no Judô e no levantamento de pesos, ele tinha uma força lendária, pela qual ele era famoso no Rio de Janeiro na sua juventude. Infelizmente para o Jiu Jitsu, o Grande Mestre Paquetá faleceu no dia 3 de Agosto de 2012.

Oswaldo ‘Paquetá’ Jiu-Jitsu

Nome Completo: Oswaldo Gomes da Rosa

Apelido: Paquetá é o nome do lugar onde Mestre Oswaldo morava. Quando ele começou a treinar na Academia Gracie, muita gente não sabia o seu nome, então falavam “O lutador de Paquetá”, rapidamente o apelido ficou na versão encurtada: Paquetá.

Linhagem: Mitsuyo Maeda > Carlos Gracie > Carlson Gracie > Oswaldo Paquetá

Posição/Técnica Favorita: N/D

Principais Conquistas: N/D

Categoria de Peso: N/D

Academia: Academia Gracie/Academia Carlson Gracie

Biografia de Oswaldo ‘Paquetá’

Oswaldo da Rosa nasceu no dia 8 de Janeiro de 1940. Foi criado num ambiente muito humilde, o seu pai era varredor de ruas e o dinheiro era pouco. Consequentemente Oswaldo se viu trabalhando para ajudar a família desde muito cedo. Apesar da vida ter apresentado esses obstáculos, “Paquetá” sempre arrumou tempo para o exercício físico. Os primeiros esportes que ele levou a sério foram a musculação e o Judô, e em ambos se destacou. Aprendeu Judô com um professor japonês chamado Nagashima, que tinha um Dojô no Rio de Janeiro.

Algum tempo depois de ter começado no Judô ele ouviu falar no Jiu-Jitsu e decidiu experimentar também, o seu primeiro instrutor foi Almir Ribeiro em 1958. Quis o destino que ele arrumasse um emprego com office boy num escritório no mesmo edifício da Academia Gracie, o famoso espaço liderado por Hélio Gracie. “Paquetá” usava muitas vezes a sua hora de almoço para visitar a Academia Gracie e observar as aulas, apesar de não poder pagar a mensalidade para treinar lá. Com o tempo passado na famosa academia de Jiu-Jitsu ele se tornou amigo de Carlson Gracie, sobrinho de Hélio, que treinava lá, e a amizade entre os dois cresceu e um dia Carlson pediu para o seu tio Hélio se podia deixar “Paquetá” treinar lá. Hélio aceitou e como “Paquetá” não tinha condições de pagar a mensalidade eles o deixaram treinar pagando apenas uma fração da mensalidade normal.

“Paquetá” sempre foi visto como uma pessoa muito forte e na verdade a única pessoa mais forte que ele na academia (segundo o próprio Oswaldo) era Carlson, que ocasionalmente rasgava uma lista telefónica das Páginas Amarelas ao meio para demonstrar a força de suas pegadas. Reconhecendo a dureza de Oswaldo, Carlson lhe pediu para o auxiliar nas suas aulas no Quartel-General dos Fuzileiros Navais, uma convite que Oswaldo prontamente aceitou. Nessas aulas os dois fortaleceriam a sua amizade.

Seguindo o conselho de Hélio Gracie, “Paquetá” começou a treinar menos com pesos e de forma diferente. Hélio acreditava que tudo o que o treinamento com pesos lhe traria era a força de explosão, mas que lhe retirava muita energia. A dica resultou e o Jiu-Jitsu de “Paquetá” melhorou bastante.

Apesar de “Paquetá” se dedicar ao Jiu-Jitsu ele nunca descurou os estudos. Ser criado numa família pobre lhe ensinou isso, e se formou como pedagogo. Quando se casou parou de trenar por um tempo enquanto se concentrava na sua carreira de pedagogo, mas a sua vida sem Jiu-Jitsu não durou por muito tempo, começando a dar aulas de Jiu-Jitsu e Judô na FUNABEN (Fundação Para a Infância e Adolescência), a mesma instituição de que foi diretor por muitos anos.

No final da década de 1960, a Federação de Jiu-Jitsu foi criada para dar legitimidade ao esporte e com ela vieram as faixas pretas. Antes da criação da federação, os instrutores usavam uma faixa azul, que marcava a distinção. “Paquetá” nunca prestou atenção para as políticas do Jiu-Jitsu e nunca pediu o seu certificado de faixa preta, mas em 1973 com o crescimento do esporte ele reconheceu a sua necessidade e então foi ter com seu velho amigo Carlson para saber o que tinha de fazer para pegar essa faixa. Carlson não pensou duas vezes, depois de anos vendo o seu amigo treinar e competir ele falou para “Paquetá” que ele não precisava de nenhum teste ou exame e o graduou para a faixa preta.

Perto de 1991 ele começou a gravar algumas lutas. Ele sempre usava a sua camera para filmar eventos em que seus amigos competiam, mas nessa época, Carlson Gracie pediu para “Paquetá” se ele podia filmar os seus alunos num campeonato chamado “Atlântico Sul”, organizado por Marcos Vinícius. A ideia era observar os erros cometidos no tatame mais tarde. Com o tempo “Paquetá” começou a filmar mais e mais eventos, primeiro como hóbi e muitos anos mais tarde como negócio.

Apesar de “Paquetá” ter recebido a sua faixa preta em 1973, só em 1993 ele recebeu o seu certificado da Federação. Isso causou um embaraço para a Federação mais tarde, uma vez que um dos faixas pretas graduados por Oswaldo estava tirando o seu sétimo grau de faixa preta enquanto que o velho mestre era “apenas” um faixa preta. Por causa disso, Robson Gracie interveio e graduou “Paquetá” para a faixa vermelha.

Paquetá se retirou do Jiu-Jitsu e do seu serviço na FUNABEN mas foi sempre reconhecido como um dos homens mais sábios da arte suave e a sua visão era frequentemente requisitada em debates na internet e na TV. Antes de falecer em Agosto de 2012, a sua coleção de mais de 4500 vídeos de luta era tida com a maior coleção privada do Brasil.

Este post também está disponível em: Inglês

Leave A Reply

Your email address will not be published.

PASSWORD RESET

LOG IN